Policlínica Santo António
Ecografias

Ecografias

As ecografias são exames auxiliares de diagnóstico não invasivos, que não emitem radiações ionizantes - ao contrário dos raios-x. Podem ser efectuados durante a gravidez, não afectando o feto e embrião, pelo que são um precioso exame durante este período.

As ecografias podem ser utilizadas para avaliação de órgãos maciços ou que se encham de líquido (como o fígado, a tiróide, os rins, a bexiga, ou a vesícula biliar). No entanto, no caso de órgãos como o estômago, os intestinos ou as vias aéreas, devido a estarem preenchidos com ar, o resultado de imagem das ecografias não é a mais esclarecedora, sendo por isso indicados outros exames para um diagnóstico mais exacto.

Quando fizer o seu exame, faça-se acompanhar dos resultados do seu último exame, caso o possua.

A ecografia do 1º trimestre é realizada idealmente entre as 11 e as 13 semanas. Esta ecografia é importante para:

  • Confirmar se o feto está vivo
  • Determinar o tempo de gravidez e data provável do parto
  • Determinar o número de fetos
  • Caso seja uma gravidez gemelar, determinar de que tipo
  • Medir a translucência da nuca fetal
  • Avaliar os marcadores fetais de cromossomopatias
  • Diagnosticar precocemente a existência de grandes malformações fetais

A combinação dos dados desta ecografia juntamente com a idade da mãe e com o rastreio bioquímico consegue detectar cerca de 92-95% dos bebés com Síndrome de Down e outras cromossomopatias major.

Como preparação para esta ecografia pede-se para a grávida, nas 2 semanas anteriores à mesma, reforçar a ingestão de líquidos - cerca de 1,5L de água por dia, por forma a tornar o líquido amniótico mais transparente e ser possível obter melhores imagens do feto. No dia do exame não deve aplicar cremes na barriga, porque pode interferir com a qualidade da imagem obtida.

A ecografia de 2º trimestre (ou morfológica) é realizada idealmente entre as 20 e 22 semanas e é a mais importante, porque permite:

  • Avaliar o crescimento fetal (detectar atrasos crescimento precoces)
  • Diagnosticar malformações fetais
  • Avaliar os marcadores cromossómicos do 2º trimestre
  • Localizar e avaliar a placenta
  • Avaliar o líquido amniótico e os vasos do cordão umbilical
  • Diagnosticar/confirmar o sexo fetal
  • Medir o colo útero, para rastrear risco de parto pré-termo
  • Medir o doppler das artérias uterinas (vasos maternos) para determinação do risco de aparecimento de pré-eclâmpsia

Como preparação para esta ecografia pede-se para a grávida, nas 2 semanas anteriores à mesma, reforçar a ingestão de líquidos - cerca de 1,5L de água por dia, por forma a tornar o líquido amniótico mais transparente e ser possível obter melhores imagens do feto. No dia do exame não deve aplicar cremes na barriga, porque pode interferir com a qualidade da imagem obtida.

A ecografia do 3º trimestre deve ser realizada idealmente entre as 30 e 32 semanas de gestação, e esta ecografia tem como objectivos:

  • Avaliar o crescimento e bem estar fetal
  • Detectar malformações fetais de aparecimento tardio
  • Localizar e avaliar a placenta
  • Avaliar o líquido amniótico
  • Avaliar a circulação sanguínea da placenta e do feto através da Fluxometria do cordão umbilical

Como preparação para esta ecografia pede-se para a grávida, nas 2 semanas anteriores à mesma, reforçar a ingestão de líquidos - cerca de 1,5L de água por dia, por forma a tornar o líquido amniótico mais transparente e ser possível obter melhores imagens do feto. No dia do exame não deve aplicar cremes na barriga, porque pode interferir com a qualidade da imagem obtida.

Também conhecidas como “Ecografias emocionais” por permitirem uma visualização tridimensional e extraordinariamente autêntica, em tempo real, do bebé dentro do útero materno. São utilizadas para aumentar o vínculo entre os pais e o bebé. Sendo um exame que se realiza por ultra-sons, torna-se um exame simples, não invasivo e seguro para o bebé e para a mãe. Como preparação para esta ecografia pede-se para a grávida, nas 2 semanas anteriores à mesma, reforçar a ingestão de líquidos - cerca de 1,5L de água por dia, por forma a tornar o líquido amniótico mais transparente e ser possível obter melhores imagens do feto. No dia do exame não deve aplicar cremes na barriga, porque pode interferir com a qualidade da imagem obtida. Sugerimos ainda que não coma cerca de 1 hora antes da sessão e, caso não seja diabética, traga um chocolate para comer durante a ecografia.

Existem duas vias de abordagem complementares: supra-púbica e endovaginal. Na via supra-púbica o exame é feito através de uma sonda sobre o abdómen. Nesta situação, a utente deve, cerca de 1 hora antes do exame, beber cerca de 1 litro de água para encher bem a bexiga, de modo a facilitar a observação do útero e dos ovários. Na via endovaginal, a utente é posicionada numa marquesa ginecológica, e a sonda ecográfica é introduzida na vagina. Nesta situação é preferível que a bexiga se encontre vazia e, idealmente, o exame deverá ser realizado cerca de uma semana após a menstruação (no caso de mulheres férteis).

A ecografia tem diversas indicações em Ginecologia:

  • Avaliação dos órgãos genitais
  • Avaliação de doentes com hemorragia genital anormal
  • Dor pélvica aguda ou crónica
  • Dor durante as relações sexuais
  • Infertilidade
  • Perturbações menstruais
  • Vigilância de algumas patologias como miomas uterinos ou quistos do ovário, em relação aos quais se tenha optado por uma atitude não cirúrgica

A Ecografia Renal e Supra-renal é um exame que nos permite obter imensa informação acerca dos rins, nomeadamente determinar o seu tamanho e forma. Trata-se de um exame simples, rápido e sem desconforto, que nos permite a avaliação e o diagnóstico de múltiplas patologias morfológicas e funcionais a nível renal, tais como:

  • Tumores, cálculos, massas ou quistos renais
  • Infecções, dilatações no excretor
  • Hematomas, atrofias, ectopias
  • Alterações congénitas, entre outras

Este exame é realizado com uma sonda ecográfica que se encosta à pele nas regiões abdominal e lombar, com o utente deitado, ligeiramente lateralizado. Não necessita de preparação prévia. Sempre que o resultado ecográfico não seja suficientemente esclarecedor, poderá ser necessário complementar a ecografia com Ecodoppler renal, que permitirá obter informações acerca da irrigação sanguínea do rim, que se correlaciona com a sua função e eventuais doenças sistémicas.

A ecografia pélvica é um exame que permite avaliar a região do abdómen inferior (pélvis). No homem pode ser realizada por via supra púbica ou por via transrectal. Ambas as vias permitem a visualização da bexiga, próstata e vesículas seminais.

Na mulher, a ecografia pélvica também pode ser efectuada por via supra púbica ou por via endocavitária, neste caso por via transvaginal, e permite avaliar a bexiga e os órgãos ginecológicos (útero e ovários).

Este exame permite também detectar a gravidez precoce (por via endovaginal) ou numa fase mais avançada (por via supra-púbica).

Para esta ecografia realizada por via supra-púbica, é necessário ter a bexiga cheia, pelo que se recomenda a ingestão de 1 litro de água na hora antes do exame. Quando realizada por via transrectal, é necessário efectuar uma limpeza rectal (micro-clister) prévia ao exame.

A ecografia abdominal superior é um exame que utiliza ultra-sons para produzir imagens dos órgãos internos da região superior do abdómen. Nesta ecografía podem ser avaliados o fígado, a vesícula biliar, o pâncreas e o baço. Pode ainda ser utilizada para pesquisar a existência de alterações da aorta abdominal, como os aneurismas, e em alguns casos pode auxiliar na identificação de alterações gástricas e das ansas intestinais.

Para este exame é necessário encontrar-se em jejum de sólidos e líquidos num mínimo de 6 horas.

A ecografia à tiróide é um exame que permite observar e avaliar esta glândula, situada na região anterior do pescoço.

A tiróide é constituída por dois lobos unidos por uma parte central, faz parte do sistema endócrino e tem como principal função a produção e libertação das hormonas tiroideias Tri-iodotironina (T3) e Tetra-iodotironina (T4), indispensáveis ao normal funcionamento do nosso organismo, através do controlo/velocidade do metabolismo das células.

Por esse motivo, a tiróide é um órgão essencial para o normal funcionamento e desenvolvimento do organismo, pois possibilita a regulação da temperatura corporal, da frequência cardíaca e da tensão arterial, assim como do funcionamento dos intestinos, do controlo do peso e dos estados de humor, entre outras funções.

A tiróide pode ser afectada por diversas doenças, de um modo mais geral mais comum nas mulheres, sendo as mais comuns:

  • Presença de nódulos
  • Bócio
  • Hipertiroidismo
  • Hipotiroidismo
  • Doenças autoimunes - Doença de Graves, Tiroidite de Hashimoto

Para este exame não há necessidade de qualquer preparação.

A ecografia às partes moles é um exame inócuo e sem desconforto que utiliza os ultra-sons para o estudo de quadros clínicos das partes moles, tais como tendões, músculos superficiais ou tecido celular cutâneo. São indicações a esta ecografia patologias traumáticas, inflamatórias, infecciosas ou tumorais.

Para a realização deste exame utiliza-se uma sonda ecográfica que contacta com a zona em estudo, e não necessita de preparação prévia.

A ecografia da próstata é um exame muito importante para diagnosticar diversas patologias da próstata. Pode ser realizada por via supra-púbica ou por via transrectal.

A ecografia da próstata por via supra-púbica permite estimar o volume da próstata, e avaliar os seus contornos, mas não permite avaliar a presença de nódulos prostáticos com a mesma acuidade da via transrectal. É, no entanto, um exame mais cómodo para o utente.

A ecografia prostática por via transrectal, também conhecida como Ecografia Vesico-Prostática, é efectuada através da introdução da sonda ecográfica pelo ânus. Quando realizado por esta via, esta ecografia permite observar imagens da próstata, vesículas seminais e pavimento da bexiga. A ecografia prostática por via transrectal deve ser realizada quando é necessária uma melhor avaliação do parênquima da glândula - por exemplo, para avaliar a presença de nódulos prostáticos.

Este exame está indicado quando o utente apresenta valores analíticos alterados de PSA (Prostate Specific Antigen), sobretudo quando há suspeita de tumores, como o cancro da próstata. É também bastante útil na avaliação de patologias benignas, como HBP (Hiperplasia Benigna da Próstata, e avaliar a presença de sequelas de Prostatite (traduzidas pela presença de calcificações). Outras alterações que esta ecografia também permite detectar são a presença de quistos ou dilatações das vesículas seminais.

Para esta ecografia realizada por via supra-púbica, é necessário ter a bexiga cheia, pelo que se recomenda a ingestão de 1 litro de água na hora antes do exame. Quando realizada por via transrectal, é necessário efectuar uma limpeza rectal (micro-clister) prévia ao exame.

ecografia mamária ou ecografia de mama é um exame de imagem médica que nos permite observar ou estudar a mama e desta forma detetar possíveis anomalias, podendo o estudo ser complementado com outras técnicas imagiológicas.

Trata-se de um exame que é realizado utilizando os ecos gerados por ultrassons, isto é, sons com alta frequência, inaudíveis pelo ser humano, para formação de imagem médica.